Por meio de ensaios em laboratório, portas de madeira são testadas quanto à durabiidade, esforços mecânicos e ação da umidade

Para entregar um empreendimento que atenda à norma de desempenho da construção civil, as construtoras devem estar atentas à necessidade de que os componentes utilizados na obra também devem cumprir os requisitos de normas específicas.

É o caso das portas de madeira, consideradas o primeiro móvel de todo projeto. A norma NBR 15930, parte 2 – Portas de madeira para edificações – Requisitos, que passou por uma revisão em 2018, estabelece alguns requisitos para portas de madeira sob as seguintes condições: ações higroscópicas, esforços mecânicos e ações de trafego, que definem a durabilidade do produto.

Por meio de ensaios em laboratórios são avaliadas a ação higroscópica da porta, já que a madeira tem a propriedade têm de absorver água. As condições ambientais (temperatura e umidade relativa) do local onde a porta será instalada podem afetar as variações dimensionais considerando o tempo de exposição. Segundo a ABNT, com base nessas variações, a porta de madeira é submetida a uma temperatura e umidade específica em duas condições padrão e uma úmida para verificar os seguintes requisitos: variações dimensionais e desvios de forma dos componentes da folha e marco.

Já nos ensaios para esforços mecânicos, que têm por objetivo avaliar a funcionalidade da porta em condições normais e anormais de uso, são verificados os requisitos de carregamento vertical, torção estática, impactos de corpo duro, impactos de corpo mole, fechamento com presença de obstrução e fechamento brusco.

Por fim, os esforços de ações de tráfego avaliam a durabilidade da porta por meio da verificação dos ciclos de abertura e fechamento e esforços de manuseio. "Esse requisito visa saber qual o comportamento da porta ao longo de sua vida útil. Os ensaios para esse requisito permitirão ao fabricante avaliar o uso da porta nas condições normais de uso ao longo da vida útil da porta como previsto na ABNT NBR 15575 (norma de desempenho da construção civil), dando maior segurança ao usuário e respaldo ao fabricante”, explica Dayane Potulski, gerente técnica da Associação Brasileira da Indústria da Madeira Processada Mecanicamente (Abimci), entidade que coordena o Programa Setorial da Qualidade de Portas de Madeira para Edificações (PSQ-PME). Nesses ensaios, a porta será avaliada como um todo: folha, marco, dobradiças, fechaduras e amortecedores.

A norma técnica de portas de madeira estabelece a partir desses requisitos classes de desempenho por localização de uso. Confira a seguir:

PIM – Porta interna de madeira

São portas com perfil de desempenho para uso em áreas secas, internas à edificação, como passagens, closets, dormitórios e salas internas.

PIM RU – Porta interna de madeira resistente à umidade

São portas com perfil de desempenho para uso em ambientes internos à edificação com ao menos um dos ambientes molháveis ou molhados, como banheiros, cozinhas e lavanderias.

PEM – Porta de entrada de madeira

São portas com perfil de desempenho para uso entre a área privada e a área comum de circulação de uma edificação, como entrada de unidades autônomas (entrada de apartamentos) e de compartimentos específicos de edifícios (entrada de quartos de hotéis), abrigadas da radiação solar direta e da chuva.

PEM RU – Porta de entrada de madeira resistente à umidade

São portas com perfil de desempenho para uso como uma PEM, porém com especificações de resistência à umidade, como em entrada de serviço, desde que protegidas da radiação solar direta e da chuva.

PXM – Porta externa de madeira

São portas com perfil de desempenho para uso em entradas de unidades/edificações expostas à radiação solar direta, a chuvas e ao vento, como porta principal da unidade voltada para o exterior, porta de garagem, de varanda e áreas de serviço desprotegidas.

PSQ-PME

Com abrangência nacional, o Programa Setorial da Qualidade de Portas de Madeira para Edificações (PSQ-PME) reúne e representa os fabricantes de portas de madeira do Brasil, atuando em várias ações que visam o fortalecimento do segmento e o atendimento dos requisitos estabelecidos nas normas brasileiras vigentes.

Entre os principais objetivos da iniciativa estão o de promover a isonomia competitiva entre os fabricantes, por meio da conformidade técnica, adequando o desempenho dos produtos às normas existentes, estimular a melhoria continua, agregar valor às marcas e dar garantias ao consumidor final.

Desde 2014, é possível encontrar no mercado portas com a certificação da ABNT. São produtos que atendem à Norma Brasileira NBR 15930 após passarem por rigoroso controle de qualidade de produção, que inclui testes físicos e mecânicos de avaliação do desempenho realizados pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) de São Paulo.

No site do Programa – www.psqportas.com.br – é possível encontrar todas as empresas e produtos certificados disponíveis no mercado. Além disso, a página conta com uma série de conteúdos como publicações e vídeos com informações sobre certificação, normas técnicas, especificação por desempenho, entre outros assuntos.